quinta-feira, 18 de julho de 2013

Burgo - Torino

Como eu disse antes eu pensei nesse post só, somente e exclusivamente para minha amiga Fabiana (viu o cartaz, Fabi?) que AMA coisas medievais, então como aqui é um espaço eclético e democrático faremos uma visita virtual na medida do possível que este modesto blog pode fazer.



Já peço desculpas pela falta de alguns detalhes, mas é que ao querer jogar uma moeda numa fontana (a da foto acima) me vi sem nenhum puto e achei que tinha perdido a minha carteira e voltei correndo pra ver se não tava no carro, no chão ou até mesmo onde tomamos o café com nutella do ultimo post.
Fiz uma pesquisa histórica e sinceramente encontrei um blog que a moça escreve tão bem e com detalhes tão interessantes que vou citá-lo por aqui. Recomendo o blog da Clarissa Benedet, as duas fotos a seguir são também do blog dela, as demais minhas ou do maridão.
Antes de falar do Burgo em si, vamos ao parco Valentino que é onde fica o burgo.





"Parco del Valentino é um dos mais antigos parques publicos da capital piemontesa e abriga muitas estruturas culturais e publicas nos seus 421.000 m2. O parque, situado no centro de Torino às margens do rio Po’, é aberto durante todo o dia, todos os dias do ano. A origem do nome nao é precisa: alguns dizem ser de origem romana, outros dizem que herdou o nome de uma antiga capela sediada no local em tempos antigos, dedicada a Sao Valentim. Os projetos de idealizaçao do parque iniciaram no século XVI, mas a construçao em si sò começaria no século XIX, seguindo o projeto do paisagista frances Barrillet-Dechamps."



"O nucleo inicial do parque é considerado o Castello del Valentino, que herdou o seu nome do proprio parque, e é tambem um edificio historico de Torino. O antigo castelo, comprado por Emanuele Filiberto de Savoia, o duque “Testa di Ferro”, foi reformado no século XVII por uma das “madama reale” – Maria Cristina de Bourbon, esposa de Vittorio Amedeo II de Savoia e filha de Henrique IV, primeiro rei da França da dinastia Bourbon – o que explica o estilo frances da reforma. A duquesa Maria Cristina viveu ali durante décadas: fofocas historicas dizem que o castelo era um ponto de encontro para os seus amantes (nobres e servos) e que ela teria construido poços, tuneis, galerias e passagens subterraneas para garantir a proteçao dos seus segredos; até mesmo um tunel que atravessava o leito do rio Po’ e chegava até a outra margem, onde a duquesa possuia o castelo da vinha real. No século XIX o castelo sofreu reformas e abandono, até que em 1860 seria escolhido para abrigar a Faculdade de Engenharia Torinese; hoje em dia é uma das sedes do Politecnico de Torino e sedia a Faculdade de Arquitetura."
Nesse parcão todo que é lindo lindo é que fica o sujeito principal deste post: 




Nico e Noah fazendo figuração na foto

"Borgo Medieval, que nao é uma construçao medieval propriamente dita. Pensado e construido para a Exposiçao Geral Italiana de 1884, é uma reconstruçao de um burgo tardo-medieval com todas as principais caracteristicas estilisticas e arquitetonicas de prédios piemonteses e val d’ostanos da época, em escala real e com os mesmos materiais; a intençao inicial era de construi-lo para a feira e logo apòs desmonta-lo novamente, mas foi feito diversamente, e o Borgo se tornou em 1942 um museu dedicado à arquitetura e cultura medievais." Mais ou menos a mesma coisa da torre Eiffel que era pra ter sido "desmontada" e tá lá até hoje.





"Dentro do burgo se encontram: vielas, casas, igrejinhas, praças, fontes, decoraçoes de época e lojas artesanais que funcionam desde 1884 até hoje vendendo artigos medievais – tudo cercado por muros e fortificaçoes e completado por uma “rocca”, estrutura de defesa tipico medieval."


"É um lugar genial para quem curte historia e cultura medieval! Alem das lojas em funcionamento, o Borgo tambem sedia exposiçoes, feiras e festas tematicas."


terça-feira, 16 de julho de 2013

Primeira parada - Torino

Nossa primeira parada mesmo foi em Torino, cidade que fica cercada por alpes com aquela nevinha em cima que parece açúcar de confeiteiro. É essa a imagem mais legal do voo para esta cidade, pelo menos pra mim, brasileira que não tem esse tipo de paisagem.
Não, não tinha tanta neve assim era fim da primavera essa foto pertence a esse blog que tem outras boas imagens dessa cidade.

Como já disse no post anterior, o unico contratempo foi não ver chegar uma de nossas malas, na verdade a mala do marido com muitas coisas do filho, por isso outro grande aprendizado: não carregar somente roupas extras consigo, como dividir as malas e todas serem de todos com pertences variados, assim se uma se perde o outro não fica pelado (rs). São com erros que a gente aprende e essa fica pra sempre, malas com itens diversos de todos, claro que isso só rola se for mais de um viajante, estando sozinho tem que rezar pra tudo chegar direitinho, e obvio mala de mão com pelo menos uma muda de roupa SEMPRE! Vai que não chega nenhuma mala? Meu marido tem algo que atrai esse tipo de coisa não é a primeira vez e pelo visto não vai ser a última. E se não fosse ele perder uma mala específica acho que não estariamos juntos hoje. é há malas que vem e vão para o bem.

sorvete de gianduia com pana (a coisa branca é pana o nosso chantily)


Como já tem um tempo que passou alguns detalhes vão se perder, mas o que posso dizer de cara é que o melhor sorvete do mundo tá lá! Prova disso foi que no último dia antes de ir embora mesmo tarde da noite e cheia de pizza tive que voltar na sorveteria e comer o gelatto de despedida e obviamente sabor gianduia (chocolate com avelã, não, não é nutella é algo muuuito melhor).

pasta!

Descobri tipos de pizza diferentes, uma feita numa panelinha e a boa e velha pizza que vai no forno direto como conhecemos, e uma coisa inusitada e muito gostosa: a farinata, uma especie de massa de pizza com farinha de grao de bico. Muito bom!

farinata!

Em termos alimentares oh my god, foi um fim de semana e tanto, com destaque pro jantar de chegada maravilhoso, com um vinho muuuito bom. Comi um tagliatelle com molho de gorgonzola e nociola (avelã) e a sobremesa foi algo muito interessante, mini porções de todas as opções que eles tinham, meu eu formiga amou do tiramissu a panacotta, tudo tava muito bom no Rafaello.

vista do monte pra mole Antoneliana e olha os alpes no fundo *.*


E o almoço no monte dei cappuccini, um restaurante no alto de um monte onde tem uma igreja e uma belissima visão da cidade, tudo era muito gostoso, mas eu que amo doce preciso dizer que a sobremesa era coisa de louco!!!
Ah, as memórias estão fora de ordem, mas é preciso falar também que o café da manhã é incrível, servido num copo todo besuntado de nutella! 

não tá na foto, mas ainda tinha um bolo muito bom!


Não podia ficar mais tempo em Torino porque voltaria rolando, isso é fato! O pequeno se esbaldou nas pastas e nos surpreendeu gostando de pesto de rucula!
Uma coisa que me chamou atenção foi o calorão que estava fazendo durante o dia (30 e muitos graus) e como a temperatura despencava a noite (chegando a 16 brr). Na beira do rio tava friaca noturna.

Rio Po

E como de dia faz calor nada melhor que beber muita água e aí entra um detalhe que deveria ser copiado no Rio 40graus, fontes e mais fontes de água pela cidade toda que saem de um touro. Nossos governantes amam o que tá na Europa podem aproveitar copiar umas iniciativas, né? Tipo agua saindo dos braços de mini cristos pelo Rio a fora.
água potável e fresca!

O próximo post eu vou dedicar a minha amiga Fabiana, pessoa que lembrei muito durante a viagem, fica curiosa aí e espera amanhã pra ver.

obs: mais uma vez isso não é um publieditorial não experimentei nada de graça e não ganho um vintém pra falar deles.


segunda-feira, 15 de julho de 2013

A viagem

Então um mês se passou e não foi possível alimentar o blog, foram férias totais de verdade, aproveitando pra fazer nada, apenas viajar, comer, conhecer e reconhecer lugares e pessoas. Foi muito bom, viagem quase perfeita, porque sempre tem algo pra tornar a coisa real, portanto imperfeita.
Mas no compto geral foi ótimo! Ainda sob efeito de fuso horário e retornando a realidade aos poucos volto aqui pra partilhar a experiência.
A ida em vôo noturno é o ideal com um bebê, ele dormiu bem e acordou bem disposto apesar do pouco tempo de sono, logo logo entrou no ritmo do fuso e já aceitou almoçar no horario novo em Madrid.
Aí entra uma ótima dica, se for ficar mais de 4h esperando pelo vôo em Madrid vale a pena dar uma voltinha na cidade, o metrô sai de um terminal do aeroporto e por 8 euros e pouco se pode comprar um bilhete para o dia inteiro, o que sai mais barato que comprar uma ida e volta e ainda dá pra descer em alguns lugares e voltar ao metrô quantas vezes quiser. Dica dois, é não ficar na fila pra comprar esse bilhete do metrô e comprar direto nas máquinas ao lado da moça que vende os bilhetes.
Usamos o vermelhinho.

Passamos pelo estádio do Real Madrid e depois fomos ao centro onde encontramos o Museo del Jamon, bom e barato, preço justo e o dia estava muito agradável valeu a pena a voltinha pra passar o tempo e pegar a conexão pra Itália.

O povo espanhol me surpreendeu pela educação, os aduaneiros espanhóis dão uma má impressão do povo que é muito gentil, sempre oferecendo lugar para sentar com o bebê e disposto a dar informação da melhor maneira possível.
Chegando na Italia, primeiro percalço da viagem uma mala não chegou, mas foi localizada e no dia seguinte tudo ok.
Mais sobre a Itália, ou melhor Torino no próximo post.

obs: esse não é um publieditorial, gostei do lugar e achei por acaso e compartilho só porque valeu a pena mesmo.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...